Mulher viaja para adotar um cachorro do abrigo e volta para casa com três

Ela resolveu adotar um cachorro que seria sacrificado, mas descobriu que três estavam na fila de abate.

Uma americana da Virgínia (no sudeste do país), navegando nas redes sociais, descobriu que um cachorro recolhido em um abrigo estava prestes a ser sacrificado. Ao procurar mais informações, a mulher ficou sabendo que o peludo tinha sido adotado, mas havia outro na mesma condição. Ela resolveu adotá-lo.

Shelly Blount ficou aliviada quando os funcionários do abrigo informaram que o cachorro estava fora de perigo, mas não conseguia parar de pensar nos animais na mesma condição. Ela acabou descobrindo que Caleb também estava no “corredor da morte”.

mulher-viaja-para-adotar-um-cachorro-e-volta-para-casa-com-tres
SHELLY BLOUNT

Adote um, leve três

O abrigo em que Caleb estava esperando a injeção letal fica na Carolina do Norte, Estado que faz divisa ao norte com a Virgínia. Shelly resolveu viajar de Richmond até os arredores de Raleigh, onde o canil está instalado.

Shelly tem licença para dirigir, mas ainda não confia nas próprias habilidades ao volante. Por isso, ela conseguiu convencer um amigo a fazer a viagem com ela – um trajeto de mais de 300 km. Apesar de já ter três cães resgatados morando em casa, a mulher sentiu que precisava fazer alguma coisa para impedir o abate de Caleb.

mulher-viaja-para-adotar-um-cachorro-e-volta-para-casa-com-tres
SHELLY BLOUNT

Nos EUA, as leis sobre bem-estar de animais são definidas em cada Estado, a partir do Animal Welfare Act, definido pelo Congresso Nacional em 1966. De acordo com a legislação da Carolina do Norte, animais abandonados (cães e gatos na maioria) podem ser abatidos 72 horas depois da captura, se os tutores não reclamarem a posse e guarda – e não houver candidatos à adoção.

O problema dos cachorros e gatos de rua é encarado principalmente como uma questão de saúde e segurança públicas (a mordida de um cão, por exemplo, é sempre considerada uma infração grave). Por isso, a fila no corredor da morte é longa na maioria dos Estados.

mulher-viaja-para-adotar-um-cachorro-e-volta-para-casa-com-tres
SHELLY BLOUNT

Mas Shelly não poderia deixar que Caleb fosse colocado para dormir para sempre. A americana fez a viagem de quatro horas com o objetivo de levar o peludo para casa. Quando ela chegou ao abrigo, no entanto, descobriu que havia dois outros cães na mesma condição.

Para a americana, era um dilema e tanto. Ela não poderia adotar Caleb e ignorar os outros dois. Por outro lado, Shelly já vivia com três cães em casa. A mulher considerou ainda que não importava o que fizesse: nas semanas seguintes, haveria outros peludos sendo sacrificados.

Mulher viaja para adotar um cachorro do abrigo e volta para casa com três
SHELLY BLOUNT

Mesmo assim, ela estava em frente ao problema de Caleb e dos outros dois: Charisma e Bella. São três animais de porte médio para grande, cuja adoção significaria mais despesas e muita disposição para educá-los e garantir qualidade de vida a eles.

Totalmente envolvida pelo charme de Caleb – que definitivamente não seria sacrificado nos dias seguintes –, Shelly quis saber quais eram as condições do abrigo sobre o total de animais que poderiam ser resgatados por um único tutor.

mulher-viaja-para-adotar-um-cachorro-e-volta-para-casa-com-tres
SHELLY BLOUNT

Os funcionários rapidamente informaram que não havia limites. Todos os cães disponibilizados para adoção – ela só pode ocorrer depois da avaliação médica, vacinação, desparasitação, vermifugação e castração – podem ser levados, desde que o candidato comprove a disponibilidade financeira para arcar com as despesas.

Na verdade, trata-se apenas de uma rotina burocrática: os rendimentos e condições de moradia informados pelos candidatos à tutela dos cães não são conferidos, nem precisam ser confirmados com documentos (como extratos bancários, por exemplo).

Shelly sabia o que fazer. Rapidamente, a mulher preencheu a papelada e tornou-se oficialmente a mãe de Caleb, Charisma e Bella. Os três peludos embarcaram no banco traseiro do carro e fizeram a viagem para a Virgínia – na verdade, uma viagem para a liberdade e a vida.

Ao receber os três cães e levá-los para o carro, a mulher percebeu que imediatamente eles começaram a mudar: a “matilha de Shelly”, que se mostrava tímida e receosa, passou a mostrar a personalidade brincalhona e divertida: eles estavam prontos para uma segunda oportunidade.

mulher-viaja-para-adotar-um-cachorro-e-volta-para-casa-com-tres
SHELLY BLOUNT

Caleb, já acomodado no banco traseiro, não parava de abanar o rabo e beijar o rosto da mãe adotiva. Bella instalou-se no colo do amigo de Shelly e mal se movia, contente por ter um lugar para relaxar. Charisma deu um abraço na salvadora e dormiu durante toda a viagem.

Só depois de chegar em casa, Shelly percebeu que não tinha espaço suficiente para tantos peludos. Felizmente, porém, ela encontrou novos lares. Caleb está vivendo com um amigo que já era pai de outro retriever do Labrador. Bella foi recebida na casa do namorado da mulher.

Charisma foi a única que ficou na casa de Shelly. Dias depois, a tutora descobriu que a cachorra estava grávida e precisava de cuidados especiais. Ela teve seis filhotes, que estão sendo amamentados, mas já têm novas casas para recebê-los.

A americana fez uma longa viagem com o objetivo de adotar um cachorro e impedir que ele fosse sacrificado com uma injeção letal, mas acabou levando três para casa. Ela ainda recebeu o “bônus” de seis filhotes. Shelly sabia exatamente o que fazer quando pegou a estrada naquele dia.

Receba notícias e histórias do Cães Online no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/caesonline.

Deixe um comentário