Cachorra emaranhada é resgatada sobre cerca de abrigo após anos de negligência

Com sinais de abuso e negligência, esta cachorra foi descartada sobre a cerca de um abrigo.

Os voluntários do Tri-County Animal Shelter, em Boca Ratón, na Flórida (sudeste dos EUA) não conseguiram entender imediatamente o que estava acontecendo. Um cachorro de pequeno porte foi atirado sobre a cerca do abrigo, exibindo sinais evidentes de abuso e maus tratos.

Trata-se de um pequeno shih tzu. Os veterinários que o atenderam acreditam que o animal – uma fêmea – foi utilizado para reprodução forçada e, quando já não tinha forças para acasalar, foi descartado da pior maneira possível: sendo lançado, como um saco de lixo, sobre a cerca.

Parker e a sua história

O Tri-County Animal Shelter é um abrigo de animais que não pratica eutanásia nos cães e gatos recolhidos (100% no-kill, na classificação americana). Em cinco anos de existência, o Tri-County (que atua nos condados de Broward, Miami-Dade e Palm Beach, onde fica Boca Ratón) já salvou a vida de mais de 170 mil pets.

Um deles é Parker, a shih tzu jogada por sobre a cerca do abrigo. A cachorrinha caiu dentro de uma lixeira, de onde foi retirada pelos funcionários. O animal estava infestado por vermes e com os pelos totalmente desgrenhados, um sinal claro de negligência.

Durante a noite, uma pessoa desconhecida jogou um embrulho sobre a cerca, para dentro do abrigo. No pacote, havia uma cachorrinha severamente negligenciada. Aparentemente, Parker nunca tinha recebido uma tosa e a pelagem, longa e embaraçada, estava cheia de invertebrados.

O animal passou a madrugada inteira ao lado da lixeira, encostada à cerca do abrigo. Ela foi encontrada apenas pela manhã, quando os primeiros funcionários chegaram ao Tri-County. Felizmente, as noites de Boca Ratón não são frias.

Quando a cachorra foi descoberta, a equipe não sabia exatamente com o que estava lidando. Apenas observando aquele monte de pelos e lixo, não era possível afirmar que se tratava de um animal – muito menos um cãozinho de estimação.

As condições de Parker eram deploráveis. Os pelos estavam tão longos e emaranhados que não era possível enxergar a pele – depois da tosa, descobriu-se que a shih tzu estava tomada por dermatites.

As unhas da cachorra nunca tinham sido aparadas. Elas estavam tão compridas que se enrolavam à frente dos dedos, formando garras dignas de um filme de terror. Parker também apresentava diversas feridas abertas e infectadas, cobertas de ovos e larvas de insetos.

A primeira providência foi sedar a cachorrinha, para permitir o corte dos pelos e das unhas. Cinco membros da equipe levaram mais de duas horas para depilar Parker. À medida que a pele ia sendo exposta, o veterinário começou a suturar as feridas abertas.

O emaranhado dos pelos era terrível: no início do atendimento, os funcionários do Tri-County não conseguiam ver as patas da cachorrinha. Depois de algum tempo cortando a pelagem, eles descobriram que a cauda estava presa às pernas traseiras.

A cachorrinha ainda foi diagnosticada com tumores de mama, provavelmente desenvolvidos em função de gestações reiteradas – e também do desmame forçado dos filhotes, quase certamente vendidos antes da época adequada.

Um dos olhos de Parker foi prejudicado pela pelagem: a cachorrinha não conseguia fechá-lo. O globo ocular ficou exposto e perdeu a hidratação natural. Atualmente, a shih tzu é portadora de baixa visão, igualmente causada pelos maus tratos. O olho esquerdo precisou ser removido cirurgicamente, procedimento realizado nos dias seguintes ao encontro da peludinha infeliz.

O motivo do abandono ficou claro para a equipe do Tri-County: Parker não era mais capaz de produzir filhotes. Provavelmente, ela viveu em um criadouro clandestino, engravidou algumas dezenas de vezes, gerou lucro e, quando perdeu a utilidade, foi descartada como um traste.

Nos dias seguintes ao tratamento de emergência, Parker recebeu transfusões de sangue – ela estava anêmica e desnutrida. Também recebeu fluidoterapia intravenosa e analgésicos, para suportar a dor – causada inclusive pela remoção da pelagem.

Lentamente, mas de forma segura, Parker começou a obter pequenas melhorias. Ela está ficando mais forte a cada dia – o progresso é visível aos olhos de todos. Ela está sendo mimada pela primeira vez: os funcionários do abrigo não se cansam de dar presentes, petiscos e carinhos.

A repercussão

A equipe do Tri-County gravou vídeos que mostram o encontro e os atendimentos de emergência realizados. O objetivo era documentar a recuperação da shih tzu, mas as imagens serviram também para mobilizar os internautas e são um verdadeiro protesto contra os maus tratos aos animais.

O texto que apresenta a história de Parker é simples e despojado, mas carregado de emoção. A equipe escreveu: “Não sei como começar um post como este. Acho que é porque nunca vi nada parecido – e espero nunca mais ver”.

Dias depois, um novo post da equipe trouxe alento aos internautas que acompanhavam a história: “Apoiadores, não sabíamos se Parker sobreviveria à primeira noite. Seu corpo minúsculo sofreu muita negligência por muitos anos, mas ela sobreviveu. Ela sobreviveu à quinta-feira, e depois à sexta. Parker perdeu 2 kg de sujeira e pelos – e ela nunca desistiu”.

Muitos internautas ficaram revoltados com as condições em que Parker foi abandonada. Um deles afirmou que “pessoas que fazem isso deveriam ter o mesmo tipo de tratamento como punição”. Outro ficou feliz com a recuperação: “O que se pode dizer? Eu pensei que a cachorra estava morta quando vi as fotos. Estou surpreso por ver que foram capazes de salvá

Receba notícias e histórias do Cães Online no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/caesonline.

Deixe um comentário